A dobradinha Luan Santana e Corinthians quer levar até 10 milhões de pessoas ao cinema para ver um filme que conta a história de um jogador do time, da base até a consagração. Na trama com orçamento de R$ 15 milhões, o cantor será um jovem guiado por Basílio, herói do título de 1977, e dividirá a tela com jogadores profissionais. Quando a bola rolar, porém, será um dublê, e não o cantor, quem vai mostrar habilidade com a bola.

Produtor da obra, Henrique Almirates Neto diz que o filme é baseado na vida de um garoto nascido e criado em Itaquera que é corintiano fanático. Ele vem ao mundo em 23 de abril de 2000 e ganha o nome de Jorge, em homenagem ao santo deste dia. Luan Santana, hoje com 26 anos de idade, vai interpretar o garoto quando ele tiver 17 anos na produção, vivendo entre a convivência com o crime e o sonho de ser jogador de futebol para ajudar a família.

O intervalo de tempo da história vai até a personagem atingir a maioridade e envolve uma série de dificuldades, momentos de fraqueza, erros e superação. Basílio será o mentor que estende a mão nos dias ruins e puxa a orelha quando necessário. A vitória no fim encerra a trama que obedece a jornada do herói.

O cantor é corintiano e esteve no Pacaembu na final da Libertadores, contra o Boca Juniors, em 2012. Agora, ele vai contracenar com os jogadores do time do coração. O produtor explica que está acertando a participação de seis atletas do elenco profissional. Os nomes não foram definidos porque dependem da negociação dos direitos de imagem. O que está certo é o filme fará gravações nos bastidores do clube.

“Vai aparecer tudo do time, a vida de um jogador. Almoçando no Parque São Jorge, no CT (Joaquim Grava) no meio dos jogadores, mostrar fisioterapia, nutricionista, vestiários, a arena e os jogos com bastantes detalhes. Vai ter cenas do avião indo jogar, o ônibus, a preleção, concentração”, detalha Henrique.