Profissionais da área de saúde de oito municípios do interior do Estado serão capacitados para realizar o diagnóstico de câncer infantil através do programa de telemedicina. O objetivo do projeto é facilitar o acesso da população ao diagnóstico e tratamento das neoplasias entre crianças e adolescentes, tratar a doença e diminuir a mortalidade pela doença no Amazonas.

A capacitação é parceria entre a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), por meio do Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM), e o Instituto de Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil (Pensi), de São Paulo. Participarão do projeto equipes de saúde dos municípios de Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara, Lábrea, Manacapuru, Parintins, Tabatinga e Tefé. Serão capacitados médicos do programa Saúde da Família, enfermeiros e agentes comunitários de saúde.

“Nós iremos ampliar os serviços que são ofertados através do programa de telemedicina e utilizar a estrutura que já temos disponível no Hospital Francisca Mendes para permitir que a população do interior tenha acesso a mais esse serviço de saúde pública”, explica o secretário de estado de saúde, Vander Alves.

O diretor do HUFM, Pedro Elias de Souza, informa que na prática os profissionais serão capacitados para identificar sintomas comuns dos cânceres entre crianças e adolescentes e que diante de uma suspeita eles irão encaminhar as informações para o núcleo de telemedicina em Manaus e em São Paulo. As informações serão avaliadas pelos especialistas, que também darão toda a orientação de como os profissionais do município devem proceder em caso de resultado positivo para o câncer.

“Esse projeto é de extrema importância, uma vez que a maioria das crianças e adolescentes só tem esse diagnóstico quanto aparece algum sintoma mais grave que chama a atenção dos pais. É do conhecimento de todos que o diagnóstico precoce é fundamental quanto se trata de câncer, isso aumenta as chances de cura”, destaca Pedro Elias.

O projeto também conta com a parceria da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), que irá receber e tratar os pacientes que tiverem diagnóstico positivo.

Curso

O curso de capacitação tem carga horária de 24h, divididas em três módulos de 8h. Os assuntos contemplados no conteúdo programático são os sinais e sintomas do câncer pediátrico: quando e para quem encaminhar, abordagem interdisciplinar, emergências oncológicas, leucemias, tumores do sistema nervoso central, tumores abdominais, tumores ósseos e de partes moles, retinoblastoma, infecção do paciente imunodeprimido, depois do tratamento: a cura é uma realidade e os cuidados paliativos. As aulas serão ministradas pelos técnicos do Instituto Pensi, através de uma plataforma de ensino à distância.

O presidente do Instituto Pensi, José Luiz Setubal, esteve em Manaus nesta quarta-feira (9) para apresentar o projeto e informou que essa é a primeira parceria da instituição para realização de projeto fora do estado de São Paulo. “O estado do Amazonas foi escolhido por já ter uma excelente experiência na área de telessaúde, sendo inclusive um dos estados pioneiros na utilização dessa tecnologia e lavando-se em consideração também as dimensões territoriais”, explicou.

Ele destaca que o câncer infantil é raro, com uma média de 18 casos a cada mil habitantes, mas tem características de ter um período de latência muito curto e um rápido desenvolvimento, dificultando o rastreamento desses casos. Além disso, o câncer em crianças é bastante invasivo e figura como a segunda maior causa de morte entre crianças no Brasil, perdendo apenas para as causas externas.

“Apesar disso, o câncer infantil tem uma incidência de cura de 90%, se for diagnosticado a tempo. Esse é o nosso maior objetivo, encontrar esses pacientes, tratar e permitir que tenham uma vida longa e saudável”, finaliza Setubal.

(Foto: Arquivo/AC)